Pular para o conteúdo principal

Perdas irreparáveis.

Pedras são obstáculos na vida do ser humano a muito tempo, mas sempre damos um jeito de contorna-las ou usa-las em nossas vidas, elas fazem o que era fraco se tornar forte e duradouro. Assim é o sentido da vida, sabemos que temos obstáculos em nosso caminho e muitas vezes não os enfrentamos, mas sim os contornamos porque é muito mais fácil e tranquilo. Mas muitas vezes a perdas em nossas vidas que se transformam em obstáculos tão grandes que mudam completamente o rumo de tudo que imaginamos! Perder alguém é o fim viver só é o fim lutar é o fim Tudo passa com o tempo, mas perdas são reparáveis quando podemos começar do zero, quando podemos dizer a nós mesmos que somos vencedores por estar lutando por um novo recomeço! Perdas são perdas! jamais perdemos tudo quando se tem a vida! Quando se tem o amor! quando realmente nos amamos! Viva - lá - Vida!

Postagens mais visitadas deste blog

“Amor” à primeira teclada?

Você acredita em amor à primeira vista? E antes da primeira vista, por meio de um teclado? Acredita que isso seja possível? No mundo cibernético, com a chegada do romance virtual, parece que o amor à primeira teclada está na concepção de alguns que entram nas salas de bate-papo em busca de uma aventura sexual, de um romance casual ou de uma relação emocional séria. No entanto, na maioria das vezes, no momento em que saem do virtual e caem na real, percebem que o verdadeiro amor é muito difícil de acontecer via on-line. “A Internet nos jogou numa nova era romântica. As pessoas mentem muito nas salas de bate-papo da Internet, e na maioria das vezes, não são nada do que dizem ser. Além de se deparar diante de pessoas que só estão querendo uma aventura, há possibilidades de encontrar também estupradores, ladrões, viciados, assassinos e pessoas com problemas morais, cujas preferências sexuais podem ser bem diferentes das suas. A autora conta em seu livro a história de uma garota de 20 anos qu…

Conheci, namorei e casei com meu amor em 51 dias

Vi o Wallace na rua e, em menos de 2 meses, estávamos morando juntosPOR Milena Emilião


Eu estava perto da escola onde dava aula quando vi um taxista. Ele era gordinho, como eu gosto. Nossos olhares se cruzaram. Continuei meu caminho e ele me chamou.

— Qual é o seu nome? Você trabalha aqui? — É Renata, sou professora. — O meu é Wallace, que horas você sai?
No fim da tarde, vi pela janela da sala de aula que ele estava me esperando. Me arrumei e desci. Lá fora, olhei para o Wallace e sorri. Ele retribuiu e me ofereceu uma carona. Aceitei.
Ele era casado
Só entrei no carro porque ele tinha o crachá da cooperativa de táxi, que é bem respeitada aqui em Santos. Até a minha rua foram dez minutos, mas, quando chegamos, ficamos mais de duas horas conversando no carro. Descobri tudo sobre ele: tinha 28 anos e arrastava um casamento falido fazia oito.
Me apaixonei pelo Wallace, mas fiquei com um pé atrás, afinal, ele era casado. Mesmo assim, nos falamos por telefone durante uma semana. Até que ele avisou…